ESCALAS TERRITORIAIS E AS FACÇÕES NO RIO GRANDE DO SUL: A EXPANSÃO DO CRIME ORGANIZADO PARA A FRONTEIRA DO BRASIL COM O URUGUAI

Tiaraju Salini Duarte, Robinson Santos Pinheiro

Resumo


O estado do Rio Grande do Sul possui uma fronteira significativa, em termos de distância, com o Uruguai e, neste contexto, diversas problemáticas relacionadas ao interesse de grupos que visam dominar o trafico de ilícitos entre estes países emergem no cenário atual. A partir deste campo de força que caracteriza a fronteira sulina, o presente artigo busca analisar a expansão do crime organizado relacionado ao tráfico de drogas para a fronteira sul do estado gaúcho, objetivando compreender o aumento nos índices de criminalidade dos últimos 10 anos na região. Neste sentido, podemos constatar que o Rio Grande do Sul possui uma centralidade de atores que dominam o crime organizado, principalmente localizados em torno da Região Metropolitana de Porto Alegre e que, ao mesmo tempo, estabelecem acordos diversos com grupos menores localizados nas regiões interioranas. Na conjuntura descrita, a fronteira com o Uruguai é, na atualidade, um ponto de significativa importância logística para o tráfico de drogas e, por conseguinte, vivencia anualmente o aumento da criminalidade na região derivada do conflito entre as facções em busca da hegemonia territorial.



Texto completo:

PDF

Referências


CASTRO, I. E. Geografia e Política: território, escala de análise e instituições. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

CIPRIANI, M. Da "Falange Gaúcha" aos "Bala nos Bala": a emergência das "facções criminais" em Porto Alegre/RS e sua manifestação atual. Direito & Democracia, Canoas, v.17, n.1, p. 106-130, jan./jun. 2016,

DIAS, C. N. Da pulverização ao monopólio da violência: expansão e consolidação do Primeiro Comando da Capital (PCC) no sistema carcerário paulista. 2011. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Departamento de Sociologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

DORFMAN, A.; FRANÇA, A. B. C. Espaço e segurança pública na fronteira gaúcha. Revista Geonorte, Amazonas, v.07, n. 03, p. 1095-1115, Jul/Dez. 2013.

DORNELLES, R. Falange Gaúcha: O presidio central e a historia do crime organizado no RS. Porto Alegre: Zero Hora Editora, 2008.

ELIAS, N. A sociedade de corte: investigação sobre a sociologia da realeza e da aristocracia de corte. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

GONZÁLEZ, L. Assassinatos aumentaram no Uruguai, sim. Mas não por causa da Maconha. The Intercept Brasil, Montevidéu, 22 ago. 2018. Disponível em: https://theintercept.com/2018/08/22/aumento-assassinatos-maconha-uruguai/. Acesso em: 02 ago. 2019.

IBGE– INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Projeção da população do Brasil e das Unidades da Federação, 2018. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao//index.html. Acesso em: 03 abr. 2019.

LACLAU, E. A Razão Populista. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2013.

MANSO, B. P.; DIAS, C. C. N. A guerra: a ascensão do PCC e o mundo do crime no Brasil. São Paulo: Todavia, 2017.

MARTÍNEZ, M. Legalização da maconha intensifica violência entre traficantes no Uruguai: aumento da criminalidade é associado a tensões pelo controle dos pontos de venda após a redução de parte do mercado ilegal. El País, Montevidéu, 10 ago 2018. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/08/09/internacional/1533827324_546108.html. Acesso em: 02 ago. 2019.

MATIAS, E. F. P. A humanidade e suas fronteiras: do Estado soberano à sociedade Global. São Paulo: Paz e Terra, 2005

PRF mais do que dobra a apreensão de maconha em 2018 no RS. Correio do Povo, Porto Alegre, 11 jan. 2019. Disponível em: https://www.correiodopovo.com.br/not%C3%ADcias/pol%C3%ADcia/prf-mais-do-que-dobra-a-apreens%C3%A3o-de-maconha-em-2018-no-rs-1.276971. Acesso em: 12 fev. 2019.

RIO GRANDE DO SUL. Indicadores criminais. Secretaria De Segurança Pública, 2018. Disponível em: https://www.ssp.rs.gov.br/indicadores-criminais. Acesso em: 13 maio 2019.

SANTOS, C. E. B. “Okaida” e “Estados Unidos”, organizações criminosas: a nova face da criminalidade na cidade de João Pessoa, 2015. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2003.

SOUZA, M. L. As drogas e a “questão urbana” no Brasil: A dinâmica sócio- espacial nas cidades brasileiras sob a influência do tráfico de tóxicos. In: CASTRO, I. E. (Org.). Brasil: questões atuais da reorganização do território. Rio de janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

SOUZA, M. L. Fobópole: o medo generalizado e a militarização da questão urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

SOUZA, M. L. Militarização da questão urbana. Lutas Sociais, São Paulo, v. 29, p. 117-129, jul./dez. 2012.

SOUZA, M. L. Os conceitos fundamentais da pesquisa sócio-espacial. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

SOUZA, M. L. O Território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: CASTRO, I. E.; CORRÊA, R. L. Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001. p. 77-116.

URUGUAY. Ministério Del Interior, 2018. Disponível em: https://www.minterior.gub.uy/. Acesso em: 13 fev. 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Tiaraju Salini Duarte, Robinson Santos Pinheiro

| Boletim Geográfico do Rio Grande do Sul | Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão - RS | ISSN 2446-7251 |