REFLEXÕES SOBRE O PLANEJAMENTO TERRITORIAL NO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

Lenize Rodrigues Ferreira

Resumo


O objetivo do texto é tecer algumas considerações sobre as propostas de planejamento territorial para o Estado do Rio Grande do Sul, com ênfase na região noroeste do Estado. Inicialmente abordamos, de maneira sucinta, os conceitos de território, escala e atores; fundamentais para pensarmos o planejamento e ordenamento territorial. A partir dos projetos Rumos 2015 e RS 2030, dois estudos propostos para o planejamento territorial do RS e, para o enfrentamento das desigualdades regionais; analisamos as proposições definidas para a região noroeste, definida como Região Funcional 7. O Estado do RS convive com duas realidades distintas: a maioria dos municípios passa por um processo de esvaziamento populacional, movimento verificado desde a década de 1980, concomitante com o aumento de municípios em que há um elevado grau de concentração, tanto populacional como da sua atividade econômica. A região noroeste do Estado exemplifica bem essa questão: ocorre uma reorganização do espaço a partir do avanço e aprofundamento no modelo da modernização da agricultura e da agroindústria. Assim, configuram-se alguns municípios polos de um entorno que esvazia em termos populacionais, paralelo ao aprofundamento da segregação socioespacial e a uma nova organização do território. O Estado se configura hoje, no Brasil, como a única organização capaz de mobilizar recursos e realizar investimentos e reformas sociais em grande escala. O planejamento territorial constitui, portanto, instrumento necessário para pensarmos na redução das disparidades regionais, além de um desenvolvimento mais equilibrado do território. 


Texto completo:

PDF

Referências


ATLAS SOCIOECONÔMICO DO RIO GRANDE DO SUL. Disponível em: http://www.atlassocioeconomico.rs.gov.br/. Acesso em: 27 nov. 2019.

BECKER, B. O uso político do território: questões a partir de uma visão do terceiro mundo. In: BECKER, B. K., COSTA, R. H.; SILVEIRA, C. B. (Orgs.) Abordagens políticas da espacialidade. Rio de Janeiro: UFRJ, 1983.

BECKER, B.K. Geografia política e gestão do território no limiar do século XXI. Uma representação a partir do Brasil. Revista Brasileira de Geografia. Rio de Janeiro, 53(3): 169-182, jul./set. 1991.

BERTÊ, A. M. A., LEMOS, B. O., TESTA, G., ZANELLA, M. A. R., OLIVEIRA, S. B. Perfis Socioeconômicos dos COREDEs. Boletim Geográfico do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, n. 26, fev. 2016. Disponível em: https://revistas.fee.tche.br/index.php/boletim-geografico-rs/issue/view/231. Acesso em: 27 nov. 2019.

BRASIL. MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL. PNDR I Política Nacional de Desenvolvimento Regional. Brasília, 2007. Disponível em: http://www.mi.gov.br/politica-nacional-de-desenvolvimento-regional-pndr. Acesso em: 20 jul. 2017.

CARGNIN, A. P. Políticas de Desenvolvimento Regional no Estado do Rio Grande do Sul: Vestígios, Marcas e Repercussões Territoriais. Brasília: Ministério da Integração Nacional, 2014. 236 p.

CASTRO, I. E. O problema da escala. In: CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. (Orgs.). Geografia: conceitos e temas. RJ: Bertrand Brasil, 1995, p.117-140.

FUNDAÇÃO DE ECONOMIA E ESTATÍSTICA. FEE DADOS. Disponível em: http://feedados.fee.tche.br/feedados/ Acesso em: 04 fev. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Banco de dados agregados. Disponível em: http://www.sidra.ibge.gov.br/ Acesso em: 22 nov. 2019.

PLANOS ESTRATÉGICOS DE DESENVOLVIMENTO DOS COREDEs 2015-2030: perspectivas estratégicas das Regiões Funcionais. Lajeado: Ed. da Univates, 2017.

PUJADAS, R.; FONT, J. Ordenación y planificación territorial. Madrid, Editorial Síntesis, 1998

RACINE, J. B.; RAFFESTIN, C.; RUFFY, V. Escala e ação, contribuições para uma interpretação do mecanismo de escala na prática da geografia. Revista Brasileira de Geografia. Rio de Janeiro, IBGE, v. 45, nº 1, 1983. pp. 123-135.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria de Coordenação e Planejamento. Departamento de Estudos Econômicos e Sociais e Planejamento Estratégico. Rumos 2015: estudo sobre o desenvolvimento regional e logística de transportes no Rio Grande do Sul. /SCP-DEPLAN; DCAPET. Porto Alegre: SCP, 2006. 5v.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria do Planejamento Gestão e Participação Cidadã (SEPLAG) e Fundação de Economia e Estatística (FEE). RS 2030: Agenda de Desenvolvimento Territorial. Porto Alegre, Volumes 1, 2 e 3. 2014.

ROSIÈRE, S. Géographie politique & Géopolitique. Une grammaire de l’espace politique. 2ª édition. Paris: Ellipses. 2007, p.283-346

ROTTA, E. Desenvolvimento Regional e Políticas Sociais no Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. 2007, 338f. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Faculdade de Serviço Social, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

SANTOS, M. O retorno do território. In: SANTOS, M. (Org.). Território: globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec/Anpur, 1994a, p. 15-28.

SANTOS, M. A urbanização brasileira. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1994b.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 3ª ed. São Paulo: Hucitec, 1999.

SANTOS, M. A questão: o uso do território. In: SANTOS, M. SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2002, p.19-22.

SOUZA, M. L. Os conceitos fundamentais da pesquisa sócio-espacial. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Lenize Rodrigues Ferreira

| Boletim Geográfico do Rio Grande do Sul | Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão - RS | ISSN 2446-7251 |