IDENTIFICAÇÃO DA EXPANSÃO URBANA EM ÁREAS ÚMIDAS POR MEIO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS. ESTUDO DE CASO: ÁREA DE INUNDAÇÃO DO RIO GRAVATAÍ/RS

Joseli Andrades Maia, Tânia Marques Strohaecker, Laurindo Antonio Guasselli

Resumo


Com a implantação da Lei 1.233 de 1954, que dispõe sobre os arruamentos e outros providências sobre regulamentação de loteamentos urbanos de Porto Alegre, o uso da terra na capital sofreu forte valorização, influenciando na instalação de investimentos públicos e privados por meio de novas infraestruturas e altos impostos municipais. Como resultado, durante as décadas de 1950 e 1960 houve a elevação do preço no mercado imobiliário, contribuindo para a dispersão da população com baixo poder aquisitivo para além das divisas municipais porto-alegrenses, que ocupou os municípios periféricos, mas acessíveis às fontes de trabalho na capital. O presente artigo busca identificar a expansão da urbanização em parte da planície de inundação do Rio Gravataí, no perímetro compreendido pelas divisas dos municípios gaúchos de Porto Alegre, Gravataí, Cachoeirinha e Alvorada. Destaca-se aqui a expansão da urbanização sobre as áreas úmidas, tendo como base os mapas feitos no software Idrisi com imagens de satélites que datam de 1985 e 2007, e o uso de fotografias aéreas de 1971 disponibilizadas pela Metroplan. A ocupação dos municípios limítrofes impulsionou e estimulou a especulação imobiliária, bem como o parcelamento do uso do solo e a implantação de novos loteamentos. A partir do uso das imagens e fotografias aéreas, notou-se o aumento da ocupação ao longo das principais vias de circulação, assim como em áreas inadequadas para residências, por serem consideradas áreas de preservação e de inundação do rio. Além do uso residencial, o avanço de outras atividades antrópicas sobre o sistema natural também foi observado, como práticas agrícolas, descarte de resíduos agrícolas, tratamento do esgoto sanitário e extração de minérios e água na região de estudo.




Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, P. B. Direito Ambiental. São Paulo: Atlas, 15ª edição. 2013.

BRASIL. Lei 4.771. Código Florestal. 15 de setembro de 1965.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 5 de Outubro de 1988.

BRASIL. Lei 10.257. Estatuto da Cidade. 10 de Julho de 2001.

BRASIL. Lei 12.651. Novo Código Florestal. 25 de maio de 2012.

CARDOSO, Alice R. Evolução urbana e o enriquecimento de sedimentos por metais-traço na barragem Mãe d’Água, sub-bacia do Arroio Dilúvio, RMPA/RS. Dissertação de Mestrado: UFRGS. IPH. 2011.

CORRÊA, R. L.. O espaço urbano. Editora Ática: São Paulo, 1989.

MAIA, J.A. A influência do Campus do Vale da UFRGS na urbanização do seu entorno a partir da perspectiva dos moradores do bairro Santa Isabel, Viamão/RS. Dissertação de Mestrado: UFRGS. PROPUR, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Joseli Andrades Maia, Tânia Marques Strohaecker, Laurindo Antonio Guasselli

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

| Boletim Geográfico do Rio Grande do Sul | ISSN 2446-7251 |