ÁREAS ABANDONADAS E POSSIBILIDADE DE PAGAMENTOS POR SERVIÇOS AMBIENTAIS EM ESPERANÇA DO SUL/RS

Jean Carlo Gessi Caneppele, Lucimar de Fátima dos Santos Vieira, Roberto Verdum

Resumo


O município de Esperança do Sul/RS foi colonizado, a partir da década de 1890, principalmente, por imigrantes alemães e italianos, configurando uma estrutura rural de pequenas propriedades, pautada na derrubada da mata nativa, o que gerou intenso desmatamento. Atualmente, o município passa por uma dinâmica de envelhecimento e abandono populacional, ocorrendo uma mudança no uso e na ocupação da terra, de lavoura e pastagem para regeneração da mata a partir do abandono dessas áreas. Essa modificação no uso e na ocupação da terra ocorre nos últimos 10 anos, com o abandono do jovem do campo e das técnicas tradicionais, gerando o abandono de áreas em relevo íngreme, enquanto o cultivo de commodities figura nas áreas mais planas. O presente artigo busca relacionar as áreas abandonadas no município com a possibilidade de que as mesmas recebam Pagamento por Serviços Ambientais (PSA). Os procedimentos metodológicos do artigo iniciaram com o levantamento da evolução territorial do município, seguidos de um breve levantamento bibliográfico acerca de Serviços Ambientais, PSA e mecanismos de obtenção de recursos, por último foram identificadas e espacializadas as áreas abandonadas. Ressalta-se que o Pagamento por Serviços Ambientais, pode possibilitar a regeneração, preservação e conservação das áreas. Além disso, poderá propiciar um incremento de renda e favorecer a permanência das pessoas no espaço rural e contribuir, assim, para a melhoria de vida dos produtores rurais. Com o uso dos produtos do sensoriamento remoto foram identificadas 431 áreas abandonadas que necessitam de uma definição de áreas prioritárias possibilitando a lisura e a justiça no processo de concessão do beneficio do PSA. 


Texto completo:

PDF

Referências


BALSAN, R. Impactos Decorrentes da Modernização da Agricultura Brasileira. Campoterritório: Revista de Geografia Agrária, Francisco Beltrão, v. 1, n. 2, p. 123-151, 2006.

BENSUSAN, N. Seria melhor ladrilhar? Biodiversidade como, para que, por que. Brasília: Universidade de Brasília/Instituto Socioambiental, 2008.

BRASIL, Lei n. 9433, 08 de Janeiro de 1997, institui o Plano Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos.

BRASIL, Lei n. 9.985, 18 de Julho de 2000 institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências.

BRASIL, Decreto n. 4340, 22 de Agosto de 2002 Regulamenta artigos da Lei n. 9.985/00 que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação – SNUC.

BRASIL, Lei n. 12.651, 25 de Maio de 2012. Institui o novo Código Florestal.

BORN, R. H., TALOCCHI, S. Proteção do capital social e ecológico: Por meio de Compensações por Serviços Ambientais (CSA). São Paulo: Peirópolis; São Lourenço da Serra, SP: Vitae Civilis, 2002.

CANEPPELE, J.C. G; VERDUM, R. Mudança do uso e ocupação do solo – dinâmicas populacionais de abandono do campo – Esperança do Sul. Em: Anais do XI Encontro Nacional da ANPEGE, Presidente Prudente, p. 3025 – 3036, 2015.

CANEPPELE, J.C.G. Pagamento de Serviços Ambientais aos produtores rurais de Esperança do Sul/RS. 2016, 78 f. Trabalho de Conclusão (Graduação), Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Geociências. Porto Alegre, 2016.

GASS, S. L. B., Áreas de preservação permanente (APPs) e o planejamento do seu uso no contexto das bacias hidrográficas: metodologia para adequação dos parâmetros legais, Dissertação (Mestrado), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-graduação em Geografia, Porto Alegre, 2010.

HERCOWITZ, M.; MATTOS, L.; SOUZA, R.P.; Estudos de caso sobre serviços ambientais. In: NOVION, H.; VALLE, R. do, É pagando que se preserva? Subsídios para políticas de compensação por serviços ambientais. São Paulo, Instituto Socioambiental, 2009, p. 119-136.

ICMS ECOLÓGICO. Disponível em: www.icmsecologico.org.br, Acesso em 12 de Novembro de 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA, Censo demográfico de 2010, disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/, acesso em 10 de Setembro de 2016.

LAZAROTTO, D. História do Rio Grande do Sul. Ijuí: Ed. Unijuí, 1998.

MANTELLI, J. O processo de ocupação do Noroeste do Rio Grande do Sul e a Evolução Agrária. Geografia, Rio Claro. v. 31, n.2, p. 269-278, 2006.

MATTOS, L.; ROMEIRO, A.R.; HERCOWITZ, M. Economia do meio ambiente. In: NOVION, H.; VALLE, R. do, É pagando que se preserva? Subsídios para políticas de compensação por serviços ambientais. São Paulo, Instituto Socioambiental, 2009, p. 43 a 86.

MATTOS, L.; ROMEIRO, A.R.; HERCOWITZ, M. Políticas públicas. In: NOVION, H.; VALLE, R. do, É pagando que se preserva? Subsídios para políticas de compensação por serviços ambientais. São Paulo, Instituto Socioambiental, 2009, p. 87 a 102.

MATTOS, L.; ROMEIRO, A.R.; HERCOWITZ, M. Capital Social e controle social na gestão de políticas públicas. In: NOVION, H.; VALLE, R. do, É pagando que se preserva? Subsídios para políticas de compensação por serviços ambientais. São Paulo, Instituto Socioambiental, 2009, p. 103 a 117.

MERICO, L. F. K. Economia e sustentabilidade, o que é, como se faz. São Paulo: Edições Loyola. 2ª Edição, 2009.

MOTA, J. A. O Valor da Natureza: economia e política dos bv bbb. Rio de Janeiro: Garamond, 2001. Disponível em: . Acesso em: 22 de Novembro de. 2016.

RIO GRANDE DO SUL, Secretária do Meio Ambiente. Plano de Manejo do Parque Estadual do Turvo. Porto Alegre, 2014.

SUERTEGARAY, D. M. A.; MOURA, N. S. V. Morfogênese do relevo do Estado do Rio Grande do Sul. In: VERDUM, R.; BASSO, L. A; SUERTEGARAY, D. M. A. Rio Grande do Sul: Paisagens e territórios em transformação. 2ªed. Porto Alegre; Editora da UFRGS, 2012. 360p.

WUNDER, S. Payments for environmental services: some nuts and bolts. Jacarta: Center for International Forestry Research, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Jean Carlo Gessi Caneppele, Lucimar de Fátima dos Santos Vieira, Roberto Verdum

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

| Boletim Geográfico do Rio Grande do Sul | ISSN 2446-7251 |