PROBLEMAS SOCIOAMBIENTAIS NAS ÁREAS DA FLORESTA OMBRÓFILA MISTA NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI- RS

Ivete Rodrigues, Liziane Dark de Godoy Psidonik, Roselaine Iankowski Corrêa da Silva

Resumo


Neste trabalho buscamos apresentar um panorama sobre as questões socioambientais que afetaram a Floresta Ombrófila Mista, mais especificamente, a Mata de Araucárias, espécies encontradas na Região Sul do Brasil por seu clima predominantemente frio, e altitudes elevadas. Para este estudo, consideramos o recorte espacial da Microrregião de Erechim (IBGE,2010). Esta pesquisa consistiu na revisão bibliográfica, as quais foram essenciais e determinantes para a construção do conhecimento sobre a temática discutida ao longo deste trabalho. Outro fator que influencia no aparecimento e dispersão desta vegetação é o tipo de solo da região. O Pinheiro do Paraná tornou-se de relevante importância devido a sua utilidade para o setor madeireiro, por isso esta vegetação foi explorada e utilizada durante muito tempo. Estes impactos estão na maioria das vezes atrelados a fatores sociais e econômicos, ocasionando mudanças e alterações significativas nos ecossistemas. Desta forma, pretende-se abordar sobre o Bioma Mata Atlântica especificamente da Floresta Ombrófila Mista apontando as características físicas que condicionam a formação desta vegetação e também os impactos da vegetação visualizados na área de estudo. Assim sendo, buscamos identificar e caracterizar os impactos socioambientais ocorridos na área de ocorrência da vegetação de Araucária Angustifolia na Microrregião de Erechim.


Texto completo:

PDF

Referências


AB’SABER, A. N. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

ATLAS NACIONAL DO BRASIL MILTON SANTOS. IBGE/2010. Disponível em: Acesso em 25 de junho de 2014

BASSO, M. G. A araucária e a paisagem do planalto sul brasileiro. Revista do Direito Público, Londrina, v.5, n.2, p. 1-11, ago 2010.

BIOMAS DO BRASIL. Principais problemas ambientais. Disponível em: . Acesso em 02 de junho de 2014.

CHIAPARINI, E. J. (Org,). Erechim: Retratos do passado, memórias no presemte. Erechim: Grafoluz, 2012.

CHRISTOPHERSON, R. W. Geossistemas : Uma Introdução à Geografia Física. Editora: BOOKMAN; 7ª Ed, 2011.

EMBRAPA. Espécies Florestais Brasileiras:. Disponível em: . Acesso em 20 de junho de 2014.

IBAMA. Lista oficial de flora ameaçada de extinção. Portaria 37-N 1992. Disponível em: Acesso em: 22 de março de 2008.

Impactos ambientais em biomas. Disponível em: . Acesso em 01 junho de 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA- IBGE. Biomas brasileiros. Disponível em: Acesso em 29 de maio de 2016.

______. Cidades. Disponível em:< http://cidades.ibge.gov.br> Acesso em 27 de junho de 2014.

______. Manuais Técnicos em Geociências. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. Rio de Janeiro, 2012. n.p . Disponível em: < http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv63011.pdf> Acesso em 21 de fevereiro de 2017.

______. O Clima Brasileiro. Disponível em: . Acesso em 13 de agosto de 2016.

LABORATÓRIO DE MANEJO FLORESTAL. Floresta Ombrófila Mista. Disponível em: acesso em 25 de junho de 2014.

LEYSER G. et.al. Espectro de dispersão em um fragmento de transição entre floresta ombrófila mista e floresta estacional na região do Alto Uruguai, Rio Grande do Sul, Brasil. Pesquisas, Botânica Nº 60:355-366. São Leopoldo: Instituto Anchietano de Pesquisas, 2009.

MAUHS, J. Fitossociologia e Regeneração Natural De Um Fragmento De Floresta Ombrófila Mista Exposto A Perturbações Antrópicas. São Leopoldo, março de 2002.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE (MMA). Monitoramento do desmatamento dos Biomas Brasileiros por satélite. Acordo de cooperação técnica MMA/IBAMA. Monitoramento do Bioma Mata Atlântica 2002 a 2008. Brasília, 25/11/2010. Disponível em: . Acesso em 14 de agosto de 2016.

______. A floresta com araucárias. Disponível em: Acesso em 30 de junho de 2014.

NODARI, Eunice S.; CARVALHO, Miguel M. X. de; MORETTO, Samira P. A Conservação do Oeste Catarinense: O Parque Nacional das Araucárias e a Estação Ecológica da Mata Preta. ANPUH – XXV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA – Fortaleza, 2009. Disponível em: < http://anais.anpuh.org/wp-content/uploads/mp/pdf/ANPUH.S25.0873.pdf> Acesso em 20 de junho de 2016.

PORTAL DO CANTU. Colheita do pinhão. Disponível em: . Acesso em 23 de jun de 2014.

PSIDONIK, L. D. G. O Município de Erechim e sua dinâmica regional a partir dos aspectos da Saúde e Educação Superior. 68p. Monografia. Geografia – Licenciatura. UFFS/Erechim, 2015.

ROSSATO, M. S. Os Climas Do Rio Grande Do Sul: Variabilidade, Tendências E Tipologia. Tese (Doutorado) Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Inst. de Geociências. Programa de Pós-‐Graduação em Geografia, Porto Alegre, RS, 2011. Disponível em: . Acesso em 29 de maio de 2016.

SONEGO, R. C. et.al. Descrição da estrutura de uma Floresta Ombrófila Mista, RS, Brasil, utilizando estimadores não-paramétricos de riqueza e rarefação de amostras. Recebido em 14/08/2006. Aceito em 29/03/2007. Acta bot. bras. 21(4): 943-955, 2007.

SOS MATA ATLANTICA. Atlas dos Municípios. Disponível em: .Acesso em 14 de agosto de 2016.

STRECK, E. V. et al. Solos do Rio Grande do Sul. 2.ed. Porto Alegre: EMATER/RS, 2008. 222p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017

| Boletim Geográfico do Rio Grande do Sul | Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão - RS | ISSN 2446-7251 |